Caçapava do Sul
 26/05 08:19
 Busca Google
E-mail:
Senha:
Advogado OAB-RS 88.885 no Escritório Alcides Saldanha

- Graduado em Direito pela Facauldade de Direito de Santa Maria - FADISMA
- Pós-Graduando em processo civil pelo complexo educacional Damásio de Jesus.
- Participou da oficina de criação literaria Alcy cheuiche, publicando como co-autor o livro: "Na trilha dos ancestrais", publicado pela editora Martins Livreiro.
Liberdade, liberdade abre as asas sobre nós

Escrevo defronte ao Oceano Atlântico e, nessa condição, contemplo uma dessas maravilhas do mundo: o infinito azul d’água. Estar em férias é uma condição na qual o tempo é relativo. Penso que Einstein estava certo, pois a única preocupação é se terá sol ou não, logo, existem dois momentos no dia: o que tem sol e o que não tem, assim simples como inspirar o ar que nos rodeia. Ah sim! Lembro-me de dizer também que o ócio é como o assoviar de determinada canção: divertido e despretensioso.

Contudo, mesmo este momento tão singular pode ser interrompido por preocupações e reflexões mais sérias, isso porque o mundo foi sacudido por atentados terroristas em território francês. Atos esses que não passam indiferentes para qualquer humano que pise à Terra com consciência de seus atos. A intolerância e o obscurantismo talvez sejam as vertentes do pensamento humano que mais me frustram e me revoltam, pois matam e ferem na França e outros lugares do mundo, portanto escrevo esse texto para tocar em tal tema.

Penso que a cobertura de parte da imprensa sobre o caso tem sido muito peculiar, pois tem mais primado por alertar a possível perseguição ao Islamismo e seus praticantes, em virtude dos ataques, do que por apontar o quanto essa religião é nefasta aos princípios sociais construídos no Ocidente. Temos uma máxima entre nós: o Estado é laico e a religião não faz parte de nosso contrato social, ao menos não integra o Direito escrito que regula a nossa convivência. Pode sim integrá-lo por via reflexa, afinal, não legislamos em bolhas, porém não o faz pela via institucional.

Trocando em miúdos, caro leitor, os representantes religiosos não opinam decisivamente sobre os rumos do Estado no Ocidente (se o fazem é porque legitimamente constituídos para tanto ou dentro do Direito de expressão a todos confiado), pois os primados islâmicos não aceitam tal raciocínio. No Islamismo a vida em sociedade deve se curvar aos ditames da religião, ou seja, a religião exorbita da órbita individual dos costumes e passa a reger a coletividade. Por exemplo, na Arábia Saudita, mulher não pode dirigir e se for pega guiando um veículo será julgada por um tribunal formado pelo Estado da Arábia Saudita, inclusive já houve condenações – lamentável, para dizer o mínimo.

Por esses dias tenho visto mulheres em trajes sumários de banho e elas andam por aí, inclusive de carro, negociam e comandam suas vidas e a de quem as cerca, sem que o Estado brasileiro tenha nada a dizer sobre isso. Aliás, o contrário é verdadeiro, se mulher e muçulmana quiser vestir longos tecidos dos pés à cabeça guiando carros ou não, à beira do mar ou não, a Pátria Amada ó mãe gentil não terá nada com isso, pois respeitamos a liberdade de culto e a livre iniciativa. Porém, se a muçulmana tentar impingir o seu hábito aos demais, quiçá utilizando-se da força para isso, a Pátria terá tudo a ver com isso, pois não aceitamos a intolerância: bingo! O Estado respeita e fomenta a existência das religiões, contudo não tolera que religiões tentem sobrepor-se às demais e impor o regramento social. Se você tem apreço pela sua liberdade, os ataques ocorridos lá do outro lado do Oceano Atlântico, muito embora não pareça, devem fazer parte de suas preocupações.

Ao contrário do que vejo por aí em meios de comunicação, não é o Ocidente que tem de ser compassivo e tolerante com o Islã, pois já o somos com todas as religiões, mas sim, o Islamismo é que tem de tolerar o modo de viver ocidental, adaptando-se a seu modo de vida sem querer impor-lhe seus ditames. Como diz a canção, contra a intolerância e o obscurantismo: liberdade, liberdade! Abre as asas sobre nós...




6181
701931 acessos

 
21257860 acessos | 90 exibições nos últimos 5 min