Rural

Alto Camaquã começa a descrever os produtos que serão comercializados com marca coletiva

21/06/2012 10:53
 

Pecuária Familiar é debatida na região da Campanha (Foto:Divulgação)

A Rede de Produtores e Empreendedores do Alto Camaquã esteve reunida na segunda-feira, 18, na sede da Embrapa Pecuária Sul, em Bagé (RS), para dar continuidade ao trabalho de caracterização e detalhamento dos produtos que serão comercializados com uma marca coletiva.

Em maio ficou definido que inicialmente serão trabalhados em torno de 10 produtos com a marca Alto Camaquã, divididos em cinco linhas: carne, produtos alimentícios elaborados, turismo, arte rural e produtos primários.

Na reunião desta segunda-feira, os produtores formaram grupos de trabalho para descrever os processos de produção e o que são esses produtos. Para tanto, definiram, entre outros assuntos, qual a composição de cada um, como é feito, quem faz e quais as associações que produzem.

Com esses dados, serão elaborados os regulamentos de cada produto, pela Associação para o Desenvolvimento Sustentável do Alto Camaquã (ADAC), para posterior registro no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), o que vai permitir a comercialização com a marca coletiva. Entre os produtos que estão sendo descritos estão carne de cordeiro, terneiro, roteiros turísticos, artesanato de lã e pele, bolo de amendoim, figada, doce de leite e mel.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Marcos Borba, além do detalhamento dos produtos, a reunião também serviu para a definição de comitês que serão responsáveis pela gestão da marca em cada produto. “Queremos ofertar produtos diferenciados e de alta qualidade. Mas, para isso, é preciso definir o que são estes produtos que estamos levando ao mercado e quais as características que os diferenciam, especialmente vinculados à sustentabilidade de seus processos de produção”, ressaltou Borba.

Visita de Secretário
O Secretário Estadual de Desenvolvimento Rural, Ivar Pavan, esteve na quinta-feira. 14, na região de Bagé para conhecer de perto o projeto que trabalha pela valorização da pecuária familiar no Alto Camaquã. Este projeto, iniciativa da Embrapa Pecuária Sul, com apoio de diferentes instituições, adota um modelo de desenvolvimento territorial sustentável da região, que tem justamente a pecuária familiar entre as bases econômicas. Depois de conhecer a experiência, Pavan definiu que será formado um grupo de trabalho para debater e formular propostas de políticas públicas para o desenvolvimento da pecuária familiar do Estado.

Segundo o Secretário, a experiência do Alto Camaquã demonstra que existe um enorme potencial para o crescimento da pecuária familiar e o consequente desenvolvimento das várias regiões do Rio Grande do Sul que mantém esta atividade. Além de participar de uma reunião na sede da Embrapa, Ivar Pavan esteve também na localidade de Alto Bonito, município de Pinheiro Machado e pertencente ao Alto Camaquã, quando pode conversar com os produtores e degustar um prato típico da região, o cordeiro dessossado assado. Na ocasião mais de 150 pessoas participaram do almoço, que ainda teve a demonstração de vários produtos originários do Alto Camaquã, como doces, bolachas e artesanato. 

Farrapo