SAIBA MAIS
  Brasil

Montadora lança no Brasil um carro de R$ 30 mil, mas só o vende pela internet

Por Jornal O Sul
07/08/2017 09:40
 

Kwid compete com o Mobi e Up! (Foto: Reprodução)

Com novos conceito de carro popular e forma de venda, a marca francesa Renault pretende se aproximar mais das cinco maiores fabricantes brasileiras e aumentar sua fatia no mercado, hoje de 7,3% no segmento de automóveis e comerciais leves, o que a coloca em sétimo lugar no ranking.

O Kwid, carro subcompacto com estilo de utilitário-esportivo (SUV) foi lançado oficialmente com preço a partir de 30 mil reais. Só não é o mais barato do mercado porque o Chery QQ, com vendas insignificantes, custa 26 mil reais. Até o fim do ano, o modelo será vendido apenas pela internet.

A empresa acredita que o Kwid, fabricado em São José dos Pinhais (PR), em breve será o carro-chefe da marca, posição hoje do Sandero, com 45.530 unidades vendidas neste ano. O novo modelo também é a aposta da Renault para alcançar uma fatia de 8% a 10% do mercado, uma antiga meta da marca.

“Nosso objetivo estratégico é chegar ou até ultrapassar os 8% de participação”, diz o presidente da Renault América Latina, Olivier Murguet. O investimento da marca no lançamento do Kwid, ocorrido na arena Allianz Park, em São Paulo, é uma demonstração do que a empresa espera do modelo.

Tratado como SUV dos compactos, o Kwid disputará mercado principalmente com Fiat Mobi e Volkswagen up! cujos preços partem de 34,2 mil reais e 38 mil reais, respectivamente. A versão intermediária custa 35 mil reais e a mais cara, 40 mil reais, por isso também estão na lista de concorrentes Fiat Uno, Ford Ka e Volkswagen Gol, todos com preços acima desse patamar.


Segurança

O Kwid foi desenvolvido em parceria entre profissionais do Brasil, França e Índia – onde começou a ser fabricado em 2016. A criação da versão brasileira, apesar de ter a mesma plataforma e design, “partiu do zero”, afirma Luiz Pedrucci, o primeiro brasileiro a assumir a presidência da Renault no País.

Tendo como pilares preço, espaço interno e segurança, a empresa foi atrás de materiais diferenciados, como motor com bloco de alumínio, que reduziu seu peso e, consequentemente, o consumo de combustível. Todas as versões têm sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis e quatro airbags.

Embora tenha esses itens de segurança, o mais barato não tem, por exemplo, ar condicionado, vidros elétricos, direção elétrica e rádio. Vem, como se diz no setor, “pelado”.

“É o mais alto de sua categoria (18 cm em relação ao solo), tem posição elevada de dirigir e o maior porta-malas”, contrapõe Antonio Fleischmann, diretor de Projetos. Cerca de 70% das peças usadas na produção são nacionais e o restante é importado de diferentes países, incluindo a Índia.

A altura, assim como os ângulos de entrada (24 graus) e de saída (40 graus) elevados levaram o Inmetro a classificar o modelo como SUV. Por motivos semelhantes o órgão também inclui nessa categoria modelos como o Volkswagen CrossFox e o Ford Ka Trail, embora o mercado não os considerem utilitários.

A versão brasileira será exportada para países da América do Sul, começando ainda este ano com a Argentina, e para o México, segundo Murguet. Outro termômetro para a Renault de que o novato será bem recebido pelos consumidores foi o resultado da sua pré-venda, iniciada em junho. “Recebemos quatro vezes mais pedidos do que prevíamos”, informa Pedrucci, sem revelar números.

O consumidor podia fazer reserva pela internet, pagando 1 mil reais em até três prestações. “Ainda não sabemos quantos vão confirmar a compra”, justifica o executivo. Esse modelo de vendas será mantido até o fim do ano, o que elimina custos com estoques. Quem comprar agora, receberá o produto entre outubro e novembro.


Investimentos

O gasto para o desenvolvimento do Kwid nacional está incluído no plano de investimentos de 2 bilhões de reais que a marca programou para o período 2011-2019. Na terça-feira, a montadora anunciou aporte extra de 750 milhões de reais para uma nova unidade no complexo do Paraná para produzir blocos e cabeçotes de alumínio para motores e na ampliação da fábrica de motores.

A unidade de automóveis – que também produz Sandero, Logan, Duster, Captur e Oroch – e a de comerciais leves, que faz o Master, têm capacidade para produzir 380 mil veículos por ano e opera com cerca de 80% desse potencial, em três turnos. Para iniciar o terceiro turno, em maio, o grupo contratou 700 funcionários e agora abriu mais 600 vagas, o que elevará o quadro para 6,9 mil trabalhadores.


Por Jornal O Sul

Farrapo