Opinião

Como equilibrar as finanças em momentos de crise

31/03/2020 13:56
 

Foto: Ilustração

Olá! Todos nós sabemos que o momento é muito difícil. Estamos passando por uma crise tanto econômica quanto na área da saúde, momentos na qual jamais imaginaríamos estar, onde nem mesmo as mentes mais brilhantes do mundo, planejadores e analistas de riscos, poderiam prever algo nesse sentido e magnitude.

O fato está aí: as circunstâncias estão ocorrendo, o contexto está armado, uma ameaça invisível atormenta o mundo e faz com que ele pare.

Olhando para o nosso próprio mundo, para nossa própria realidade, o que podemos fazer para superar e vencer este inimigo?

Dentro da administração e do coaching existe uma ferramenta chamada Matriz Swot. Essa matriz serve para analisarmos 2 cenários: o cenário interno e o cenário externo. Ela nos ensina e nos faz perceber que vivemos em 2 cenários, sendo o ambiente interno, relacionado às nossas forças e nossas fraquezas, e o ambiente externo, relacionado às oportunidades e as ameaças.

O que estamos vivendo neste momento é uma ameaça do ambiente externo, na qual nós não temos controle e nem podemos evitar que a mesma ocorra. O importante neste momento é focarmos no nosso cenário interno, nosso ambiente interno, verificar nossos pontos fortes e verificar nossas fraquezas. Levando isso para o âmbito financeiro, identificando nossos pontos, e relacionando-os a essa área, qual seria o resultado aplicado às suas finanças pessoais?
Vamos fazer uma analogia do que estamos passando com um acidente de carro.

Imagine: houve um acidente entre 2 carros. O carro A possui airbag, o carro B não possui. Como resultado do acidente, quem tem mais chances de sair com menos lesões e consequências? O carro A ou o carro B?

Essa analogia serve para identificarmos a importância de ter uma reserva estratégica (que nesse caso seria o nosso airbag financeiro) para minimizar o impacto dessa crise mundial na qual estamos passando. Nós todos iremos sofrer ou estamos sofrendo as consequências desse acidente. Todos nós seremos impactados com o COVID-19, indiferentemente de contrairmos ou não o vírus. Todos nós teremos impactos negativos na nossa vida e quem tiver esse airbag poderá superar com mais tranquilidade esse momento. Isso evidencia a importância de termos uma reserva financeira.

Gostaria que você respondesse a seguinte pergunta: se a partir de hoje você não tiver mais seu ganho mensal, por quanto tempo você manteria o seu atual padrão de vida?

Essa é uma pergunta que venho realizado a mais de 4 anos em minhas palestras de educação financeira, e toda vez que a faço, as pessoas têm a tendência de levar um choque. E talvez você também esteja levando um choque. O importante nesse momento é termos a tranquilidade, a serenidade e a consciência de forma geral em todos os âmbitos da nossa vida. É termos a consciência financeira de saber para onde vai cada centavo do nosso dinheiro, onde você gasta, de que forma você gasta, quais sentimentos e emoções você sente ao gastar, quais são os gatilhos mentais que levam você a gastar e o quanto você está investindo em cada área da sua vida. O nosso ambiente interno está nas nossas mãos, é do nosso controle. O mais importante muitas vezes não é o que acontece, mas como reagimos diante das circunstâncias.

Assim como você está cuidando muito bem da sua saúde nesse momento, é tão quão importante cuidar da sua saúde financeira. O dinheiro serve como um meio, uma moeda de troca, e muitas vezes ter não ter dinheiro pode representar a falta de uma cura, de um tratamento médico, menos opções e menores oportunidades.

Vou te dar algumas dicas que você pode fazer hoje mesmo para melhorar a sua saúde financeira:

1)    Faça uma análise de todos os seus comprometimentos financeiros, todas as suas dívidas, cheque especial, cartão de crédito, empréstimos, financiamentos, saiba a sua realidade financeira e o seu endividamento financeiro;

2)    Analise o quanto você está gastando em cada área da sua vida;

3)    Faça um diagnóstico financeiro e descubra para onde vai cada centavo do seu dinheiro.

4)    Crie um orçamento por áreas, por exemplo: alimentação, vestuário, educação, higiene pessoal, produtos de limpeza, medicamentos e hobbies. Dentro dessas áreas, coloque subáreas, como padaria, açougue, hortifrúti, bebidas e etc.

5)    Com base nessas análises, você poderá encontrar seu padrão de vida e guardar no mínimo 10% do que você ganha para uma reserva estratégica.

Você sabia? Foi aprovado pela Câmara de Deputados um projeto que visa liberar um auxílio emergencial de R$ 600,00 por trabalhador informal, sendo que o valor pode chegar a R$ 1200,00 para as mães responsáveis pelo sustento da família. Esse projeto vai passar pelo Senado e deverá ser aprovado ainda essa semana.

A pessoa candidata deverá cumprir pelo menos uma dessas condições:

1)    Exercer atividade na condição MEI;

2)    Ser contribuinte individual ou facultativo do regime geral da previdência social;

3)    Ser trabalhador informal inscrito no CAD único.

Se for trabalhador informal, sem pertencer a nenhum cadastro, é preciso ter cumprido o requisito do salário de até meio salário mínimo per capita ou renda familiar mensal total de até 3 salários mínimos. O auxílio emergencial será pago por bancos públicos federais por meio de uma conta de poupança social digital. A conta será aberta automaticamente em nome dos beneficiários, com dispensa de apresentação de documentos e isenção de taxas de manutenção.

Será permitido fazer ao menos 1 transferência eletrônica de dinheiro por mês, sem custo, para a conta bancária mantida em qualquer instituição financeira autorizada a funcionar pelo banco central.

Vale salientar que esta é uma medida importante para toda a sociedade e vai fazer com que a economia aqueça nessa hora de recessão. Mas você deve ter muito cuidado e muita consciência: nesse momento, faça uma equação, um reajuste, um plano de contingência e adeque o seu padrão de vida a essa realidade momentânea para que você possa passar da melhor forma possível e atravessar esse deserto com a menor quantidade de efeitos colaterais possíveis. Para isso, analisar as suas finanças, ter consciência financeira, saber para onde vai cada centavo do seu dinheiro e guardar no mínimo 10% da sua renda vai fazer toda a diferença.

Agora imagine-se nesse momento com uma reserva financeira e tendo no mínimo 3 salários do que você ganha. Parou pra pensar no quanto isso seria benéfico e traria muito mais tranquilidade pra você e a sua família?

Mudar o passado não é possível, mas podemos fazer um futuro diferente. Que esse momento de dificuldade sirva como aprendizado para todos, para que possamos ter consciência de que guardar parte do que ganha é fundamental para o nosso futuro, pois, novamente, nós não temos controle sobre o nosso ambiente externo, mas temos controle sob nosso ambiente interno. E é aí, no ambiente interno, que fazemos nossa reserva financeira, que guardamos dinheiro e que atualizamos nossos sonhos e objetivos.

O salva-vidas é treinado para salvar a vida dos outros. Mas antes, para salvar a própria, assim podendo atender outras pessoas. Quanto mais cuidarmos de nós mesmos, de mais pessoas poderemos cuidar. Quanto mais condições financeiras tivermos, mais opções teremos para poder ajudar os outros nesses momentos difíceis. Esse é um dos grandes ensinamentos que nós estamos tendo: a oportunidade de pararmos e de refletirmos. Então aproveite esse momento e faça uma análise interior, verifique a sua saúde financeira da mesma forma que você está cuidando da sua saúde física, cuide-se em todos os âmbitos e veja isso refletir diretamente em todas as áreas da sua vida, na sua família e nas pessoas que estão à sua volta.

Que Deus os abençoe, e um forte abraço (à distância).

Por Jordane Lopes

Farrapo






Topo