CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS
  Opinião

Ivan Pessoa escreve sobre sobre as festas juninas e o caipira em: Nós caipiras

Por farrapo.rs
22/06/2018 17:16
 

Ivan Pessoa Moreira Escritor

O escritor poeta.

O mês de junho onde as festas juninas são comemoradas se reflete muito daquilo que pensa o homem urbano sobre o homem do campo. Muitos demonstram equívocos e preconceitos ao pensarem que o caipira usa roupas remendadas ao irem às festas, chapéus de palhas desfiados e que fala totalmente errado? É uma imagem contraditória, o homem do campo passou a ser símbolo de atraso, ignorância e pobreza devido ao êxodo influenciado pelo desenvolvimento industrial ocorrido no século XIX.

Os valores sociais, o mundo intelectual, incorporam e inserem significados às palavras predispondo muitas vezes o preconceito ao nosso caipira, e por isso deve-se ter o zelo do cuidado.

Caipira, homem do campo, homem da roça, homem do mato, pessoa tímida, matuto, acanhado, ignorante, ingênuo, muito cuidado? Às vezes a falta de conhecimento para uns, está na condição de quem é instruído, no estado de quem o ignora ou desconhece a realidade produzindo estigmas! O caipira quando vai às festas, veste a sua melhor roupa. Os remendos são feitos em roupas rasgadas para o trabalho no campo, é claro que antigamente não se comprava roupas como nos dias de hoje.

O tecido se comprava dos mascates que eram vendedores viajantes e que levavam até as propriedades as bobinas de tecidos onde eram compradas pelo homem rural para confecção das roupas para toda a família. Os trajes de festas embora muitas vezes repetidos, eram confeccionados e feitos para tal fim e duravam por muito tempo ficando do filho mais velho ao mais novo. O chapéu de feltro fazia parte e jamais o chapéu de palha que era utensilio exclusivo do trabalho.

Por Ivan Pessoa Moreira


Por farrapo.rs

Farrapo