Opinião

O que a pandemia ensina aos negócios

19/08/2020 16:00
 

 

Este é o primeiro texto em colaboração com o portal Farrapo.  Tenho um carinho especial com a região. Trabalhei em Caçapava durante dois anos, me deslocando todas as segundas e sextas-feiras de Santa Maria. Neste espaço, pretendo contribuir, com temas ligados a conjuntura, principalmente dos negócios. Agradeço o convite do Portal Farrapo, referência na região. Um fato não se pode negar, desde que a Organização Mundial de Saúde (OMS), decretou uma pandemia mundial, em onze de março, que o compartilhamento do conhecimento online veio para ficar.  Os negócios foram transformados. A forma de se relacionar mudou, de ofertar e demandar produtos, de fato, nunca mais será a mesma. Nesta página, compartilho com vocês alguns aprendizados deste período. As empresas que não tinham presença online e passaram a ter, acabaram, sem planejamento, se apresentando de forma desestruturada. Sinto informar, este tipo de presença online não irá sobreviver.  Não existe setor da economia ou tamanho de negócio que possa dizer "eu não tenho necessidade de investir no digital". Quem pensar assim não tem futuro. As lojas físicas se não forem redesenhadas, aqui me refiro à experiência para o consumidor e a necessidade gerada de personalização, vão desaparecer mais rápido do que todos nós imaginamos. O movimento de antes, não vai voltar. Penso que esse período traz um novo hábito de consumo. É comprar e ir embora. As demissões que estão ocorrendo e vão ocorrer, não serão readmitidas, pelo simples fato que o comércio tradicional mudou. O modelo, amplamente utilizado e aceito pela grande indústria, o estoque “just in time” sai e entra o “just in case”. As empresas aprenderam com a crise que precisam ter estoques de segurança, principalmente quem tem cadeias longas de fornecimento. Atrelada a essa mudança, as relações de comércio também mudam. Podemos estar dando fim ao chamado “globalismo” e para um possível protecionismo. As operadoras de viagens e as empresas aéreas mudarão radicalmente. As viagens de negócios estão sendo substituídas por vídeo chamadas e o turismo de lazer, nesse primeiro momento, será mais para o interior junto à natureza e em lugares com baixa concentração de pessoas.  A educação online se revolucionou nesta crise, a forma como se aprende em todos os níveis mudou. A evolução constatada na educação, também chegou à saúde, os atendimentos online são uma ferramenta sem volta. A discussão que temos que amadurecer é sobre os direitos individuais versus saúde. O tema será um dos grandes debates no mundo à medida que rastrear individualmente cada individuo é uma das estratégias mais eficazes de controle de epidemias. Fazer seguro hoje em dia, passou a ser essencial. O setor agrícola brasileiro tem uma oportunidade de ouro, precisa investir cada vez mais em tecnologia e digitalização, e na qualificação dos seus profissionais e gestores.  A crise não veio para nos ensinar a cortar custos, mas sim, a investir em tecnologia. A vida vai ser diferente, mas ninguém sabe exatamente como vai ser. Esteja preparado, em constante aprendizado e adepto as novas mudanças que estão por vir.

 

Mateus Frozza

Economista. Professor Universitário.

Mestre em Economia da Indústria e da Tecnologia (Unisinos). Doutorando em Ensino de Ciência e Matemática (UFN), com ênfase no Ensino da Educação Financeira.  Prestou consultoria, na indústria de extração mineral e farmacêutica. No setor de serviços, atuou no setor de vestuário e na alimentação. No setor público, secretário de Finanças do município de Santa Maria (2019/2020). Professor da Universidade Franciscana (UFN) e na Faculdade de Ciências e da Saúde (Sobresp) em Santa Maria - RS e de cursos preparatórios para concurso e especializações em diversas instituições do Estado.

Contato: mateus@frozzaassociados.com

 

 



Topo